O movimento de curiosos nos quais me incluo, que esta tarde de
 
domingo rumaram até à nascente do Rio Lis, foi muito significativo.
 
Momentos houve de alguma dificuldade de circulação das viaturas, naturalmente
 
condicionada pela estrada de acesso, sem grandes alternativas de escoamento de
 
tráfego automóvel.

Estas são algumas das imagens que recolhi.


 

2 comentários:

Victor Elias disse...

Eu era muito criança, mas recordo muito bem as cheias da minha Leiria, quando ia com minha Mãe ao lavadouro da Fonte Quente. Havia água no Gato Preto, inundava ao Zeferino a Drogaria,
e a Farmácia Lino, a Relojoaria Gaspar... e até a Casa Lisman, que era do Sebastião, tinham água até mais não!
Não se molhavam na Oliva nem tampouco no Frazão, porque estavam protegidos por aquele paredão... e a Papelaria do Moita, a Adega dos Caçadores sabiam bem que o 'Lis' era um rio de humores.
Mas são lindas as levadas que agora o limitam... mesmo não servindo para nada, no que que os da hidráulica acreditam.
Parabéns pelas fotos.
Um abraço do Victor Elias

Arnaldo disse...

É verdade, Victor! Também me recordo desses cenários! Ainda hoje, se a chuva cair de forma muito intensa e continuada, se verificam essas inundações junto ao "Gato Preto", por ser um local onde acabam por afluir as águas que correm nas ruas que ali terminam. Um abraço.

About